Mundo da Leitura

Oliver Twist: Da leitura à encenação

Autoria: Luís Branco e Tiago Fernandes, professores do Colégio Santa Maria

Quando a Literatura encontra a História, a imaginação alcança uma nova dimensão. Foi com esse horizonte de expectativas que os alunos e alunas do 8o ano embarcaram na leitura adaptada da obra “Oliver Twist”. Clássico da literatura mundial, “Oliver Twist” foi o primeiro livro a ter como protagonista uma criança. Tal característica permitiu uma aproximação imediata com nossos estudantes, recém-chegados à adolescência. Já nas leituras iniciais da obra surgiram reflexões sensibilizadas com a vida de privações e violências sofridas por Oliver desde a infância até a pré-adolescência.


Mas, afinal, por que a vida de Oliver Twist era assim? Órfão e pobre, vivendo situações abusivas em orfanatos e lares familiares, escapa para a cidade grande, Londres, onde se envolverá, em meio aos becos e vielas das sujas ruas da capital inglesa, com uma gangue de jovens comandadas por um adulto, enquanto sonhava com uma vida melhor nas noites mal dormidas dentro das acanhadas moradias da população pobre da cidade.  Quis o destino que assim fosse? Falta de sorte na vida? E se buscássemos compreender a vida do nosso personagem principal dentro do contexto histórico da Inglaterra no século XIX? Com essa proposta, os estudantes foram instigados a estabelecer relações entre a jornada de Oliver Twist e as realidade social e econômica da Inglaterra durante a Revolução Industrial, marcada pela desigualdade social e exploração do trabalho infantil. Mas, para além da trivial pergunta – como as aulas de História podem ajudar a compreender a obra literária? – os alunos foram desafiados a pensar o seu inverso: Como a obra literária nos ajuda a compreender aquela sociedade? Indo além: “Oliver Twist”, mesmo sendo uma narrativa fictícia, pode ser considerada uma fonte histórica?    Entre tantas discussões e posições, o trabalho com texto se aprofundou em busca da realidade daquele período, num processo em que a imaginação histórica foi ganhando vida no decorrer das descrições sobre os tipos sociais da metrópole e das ruas movimentadas pelas multidões em que o menino Oliver sobrevivia enquanto desejava não ser apenas mais um rosto anônimo.

Após o ciclo de leituras do livro, os estudantes foram convidados a se inserirem nas personagens com as quais passaram a ter maior intimidade: Oliver, Fagin, Bill Sikes, Trapaceiro, Rose, Nancy, entre tantas outras da obra de Charles Dickens: depois de repertório adquirido nas aulas de produção de texto acerca do texto teatral, os estudantes tiveram a incumbência de produzir uma adaptação de dois ou três capítulos de “Oliver Twist” para posteriormente encenarem. Foi uma experiência difícil para muitos, porém marcante, uma vez que eles produziriam as próprias falas baseados na narrativa lida.

(trecho de uma das peças produzidas e encenadas)

Com os textos finalizados, foi a hora de ensaiar para, posteriormente, encenar no auditório do Colégio para todos os colegas. As aulas voltadas para o trabalho iniciaram com leitura dramatizada, ensaio de movimentos em cena, emissão de voz, interpretação até o ensaio geral com inserção de efeitos sonoros e visuais, um trabalho completo em torno do texto teatral. Ainda antes das apresentações, os grupos formados nas salas com suas respectivas apresentações fizeram uma apresentação prévia para os colegas, com o intuito de poderem dar dicas uns aos outros e melhorar o produto final.


Sem sombra de dúvidas, uma experiência literária e de análise histórica que marcou o início do 8º ano, com apresentações bem produzidas e envolvimento de todos os alunos. Uma vivência teatral completa que possibilitou tanto o aprofundamento na obra quanto maior conhecimento do contexto histórico da sociedade inglesa no período da Revolução Industrial.

Você também pode se interessar
Tags:

Posts similares